Mulher Etíope acusa Angelina Jolie de roubar sua história

Angelina Jolie está no coração de um escândalo. A esposa de Brad Pitt é acusada de roubar a história de uma mulher etíope de 32 anos vítima de estupro, para fazer um filme sem a autorização prévia da mesma. A jovem chamada Aberash Bekele indignada acusou Angelina de incumprimento da sua história.

Duas histórias idênticas: coincidência ou não?

Uma adolescente de 14 anos é sequestrada e estuprada por seus sequestradores que estão forçando-a se casar, mas ela acaba matando seu sequestrador e futuro marido.Essa é a história contada pelo filme co-produzido por Angelina Jolie. Este filme ou pelo menos a história do filme criou uma polêmica quando Aberash de 32 anos disse ter inspirado o filme, Angelina simplesmente usou a história de minha vida sem a minha permissão e sem ela perceber compensação dos fatos.

Difret seria mesmo inspirado pela história de Aberash?

Lembre-se que o filme intitulado Difret foi transmitido no ano passado na Cúpula Mundial de luta contra a violência sexual em conflitos. Aberash Bekele protesta contra os cineastas, incluindo Angelina Jolie, porque acredita que contar sua historia poderia ser fonte de ameaça para ela e sua família.

Charlotte Metcalf, uma jornalista que já tinha feito um documentário há cerca de 16 anos sobre a história da Etiópia, disse que ela entende o que pode sentir a moça e falou ao Daily Mail com a jovem está sofrendo: É um escândalo, ela alega que isso poderia ter sido a história de qualquer outra pessoa, e Aberash luta contra isso. Hoje, o que poderia ser objeto de admiração internacional por sua coragem, em vez disso, é invisível, porque sua história foi roubada.

Verdade ou não nisso, vale lembrar que Angelina Jolie só foi adicionada como produtora do filme, para que o mesmo pudesse receber atenção na mídia internacional, ela não fez parte da equipe do filme durante todo o processo de pré e pós-produção, ela não é responsável pela escolha da historia, do elenco e de nada no filme, esse não é um filme de Angelina Jolie, então isso a livraria de qualquer acusação que fosse. 

 Abaixo a matéria original publicada na Newsweek

A mulher que me cumprimenta no aeroporto de Addis Ababa é muito diferente da menina traumatizada que vi pela última vez em 1998. Quando eu abracei Aberash Bekele há 16 anos, eu tinha acabado de filmar um documentário da BBC sobre o seu chamado de assassino da estudante. Aos 14 anos, Bekele foi sequestrada por um bando de cavaleiros, estuprada e, em seguida, levado a julgamento pela morte de seu sequestrador. Sua história forçou a Etiópia a confrontar seus costumes brutais e alterar suas leis. Hoje ela é a mãe de um filho de 10 anos de idade; ela está mais gorda, seu cabelo está tingido e estiloso, os sapatos brilhantes, e as unhas com esmalte. Sua história de ida já foi contada em um filme chamado Difret. Com produção executiva de Angelina Jolie, Difret já ganhou prêmios nos festivais de Sundance, Berlim, Montreal e Amesterdão, então Bekele é mais uma vez o assunto de uma nação.

Bekele é uma dos 11 filhos (agora com idade entre 19 3 52) da mesma mãe e cresceu em Kersa, uma pequena cidade remota no Arsii, sul da Etiópia, onde seus pais são agricultores de subsistência. Ela estava a caminho da escola para casa quando cavaleiros com chicotes e laços a rodearam, agarraram-na, a jogaram sobre uma sela e a levaram para uma cabana onde ela foi trancada e estuprada. Seu estuprador, em seguida, anunciou que seria seu futuro marido. Em Arsii era costume que se você quisesse uma esposa, você teria que sair e sequestrar uma, estima-se que, em 1998, 30% dos casamentos foram iniciadas desta forma, com diferentes níveis de violência.

Bekele fugiu, roubando a arma de um deles. Quando seu sequestrador e seus homens a perseguiram, ela ameaçou atirar mas foi ignorada. Então, ela puxou o gatilho. Bekele quase foi assassinada pela multidão furiosa que se reuniu rapidamente em sua volta, mas foi resgatada por amigos da família, então presa e levado a julgamento. Ela se tornou a primeira causa célebre para a Associação Etíope de Mulheres Juristas, e foi finalmente absolvida em razão da sua juventude e por estar agindo em legítima defesa. Apesar de sua absolvição, Bekele foi exilada pelos anciãos de Kersa que não reconheceram a decisão dos tribunais. Incapaz de voltar para sua família, e em perigo de ameaças de vingança pela família de seu falecido abusador, ela fugiu para Addis.

Quando a historia da aluna assassina foi ao ar na BBC em 1999, atingiu uma comoção recorde com o público britânico, que lhe enviaram dinheiro suficiente para que pudesse ser mandada para um colégio interno seguro para terminar os estudos. Eu perdi contato com ela até o ano passado, quando um cameraman etíope me alertou sobre Difret. Fui vê-lo no Festival de Cinema de Londres. O foco central é que a personagem principal, ao invés de Bekele, é Meaza Ashenafi, a então chefe da Associação de Mulheres Juristas, que eu tinha entrevistado sobre a Aluna assassina. Os produtores tinham mudado o nome de Bekele, mas algumas cenas do filme foram quase idênticas às da vida dela. Achei Bekele e voei para Addis.

Bekele agora trabalha lá para Harmee, uma ONG fundada pelo Dr Daniel Keftassa em 2006, que tem como objetivo eliminar a violência contra as mulheres em Arsii. Ele me pegou no aeroporto junto com Bekele e fizemos a viagem de cinco horas para Kersa, onde Harmee tem a sua sede, e onde a família de Bekele ainda vive. No caminho, ela me contou sobre o filme. Ela nunca foi consultada durante todo o processo de produção, e quando ela descobriu sobre ele e confrontou Ashenafi e os produtores, lhe foi dito que o filme não era sobre ela.

Rodadas de negociações legais se seguiram, mas ninguém concordou em colocar o nome de Bekele no filme. Então, na noite de estréia do filme, ela obteve uma última liminar minutos antes da exibição para impedi-lo de ser mostrado. Os produtores tinham apenas mostrado o discurso televisionado de Jolie, em que ela disse que Difret foi baseada na "história não contada de Aberash Bekele," quando ela chegou com os documentos necessários para o cancelamento da exibição. Bekele, em última instância assinou um acordo, o que significa que ela se sente incapaz de reclamar ou tomar outras medidas.Enquanto isso, o filme foi lançado temporariamente na Etiópia, mas novamente bloqueado pelos advogados de defesa de Bekele. Os produtores do filme não responderam a um pedido de esclarecimento nem a assistente pessoal de Jolie respondeu as acusações.

Bekele, Keftassa e eu chegamos em Kersa. A não ser por uma nova mesquita, ainda continua o mesmo balburdio de lama e barracos de zinco ondulados amarrados ao longo de algumas estradas de terra. Fomos imediatamente para ver a família de Bekele, que vive a uma caminhada de distância de uma nova estrada de terra em uma cabana de palha em sua fazenda. Depois de comer, nós nos sentamos em torno de um fogo sob as estrelas. Alguns dos membros de sua família começaram a dançar e a bater palmas em um ritmo de um bidão de plástico e a cantar canções tradicionais de Oromo. Bekele parecia feliz quando ela se sentou no abraço de seu pai, e um dos sobrinhos em um de seus joelhos. Seu irmão me contou sobre o dia em que ela foi sequestrada. Ele estava na mesma classe que ela na escola e foi para casa mais cedo. Enquanto ele embalava seu filho recém-nascido, ele claramente ainda parecia assombrado com o fato de não ter sido capaz de proteger sua irmã.

Após o caso publico de Bekele, ter vindo a tona em Arsii, ele não foi mais mencionado por cinco anos. A irmã mais velha de Bekele, Mestawet que agora tem 50 anos, também foi sequestrada e forçada a se casar aos 14 anos. Quando filmamos o documentário ela estava morando em um casebre que servia também como um bar, ela passava seu tempo servindo Arak caseiro aos homens, e era mãe de quatro pequenas crianças. Ela tinha sido uma atleta contemporâneo do Derartu Tulu, a primeira mulher negra Africana a ganhar um ouro olímpico em Barcelona, em 1992. Mestawet, também, tinha sido escolhido para representar o seu país e estava prestes a partir quando foi sequestrada. Embora mais tarde ela tenha deixado o marido, os anciãos persuadiram-na a voltar. Ela agora é uma avó e vive em uma pequena casa nova, trabalhando para a Harmee e Keftassa. Sua filha mais velha está na faculdade estudando TI, o mais novo na escola. "Eu fui casada contra a minha vontade, então eu nunca estarei satisfeita ou feliz, mas as coisas são muito melhor", disse ela. "O sequestro aqui foi minimizado. Bekele abriu o caminho porque os homens começaram a ter medo do que as meninas podem fazer, mas apenas alguns realmente mudaram suas mentes ".

O impacto do caso de Bekele foi imediato, mas nos últimos anos os sequestros estão de volta, sete ou oito por ano, e no ano passado uma garota de 14 anos de idade foi raptada. Quando seu sequestrador tentou estuprá-la, a menina lutou tanto que ele se aliou ao seu amigo para ajudar-lhe a amarrá-la. Ele a manteve amarrada e escondida na floresta por um mês, repetidamente estuprá-la. Para terminar a tortura, a garota concordou em se casar com ele. Na primeira oportunidade, ela roubou um celular e ligou para seu irmão. Seu seqüestrador foi preso e sentenciado a 17 anos de prisão. Bekele aplaude a sentença, mas se preocupa, como sua irmã, sobre se a mentalidade masculina realmente mudou ou não. "Como pode esse homem ter pensado que a menina iria querer ser sua esposa, depois do que ele fez com ela?.

Bekele está agora determinado a mudar os costumes violentos que marcaram sua vida. Seu trabalho com Keftassa e Harmee já está dando bons resultados em Arsii, onde mais meninas estão sendo educadas e aprendendo a se levantar contra as tradições que as sujeitou por tanto tempo. Recentemente uma outra menina foi agarrada, atirada em uma carroça e amarrada, mas ela gritou tão alto que as mulheres locais agora sempre alertas contra raptos os perseguiram . Os sequestradores jogaram a menina para fora da carroça. Ela ficou gravemente ferido, mas seu sequestrador foi enviado para à prisão por 12 anos.

Uma noite em Kersa, Bekele, Keftassa e eu nos sentamos para conversar, ficamos até tarde relembrando o dia em que finalmente ela obteve a ordem judicial que arruinou a première do filme. "Eu contei 11 grandes Mercedes que deixaram o local com atores naquela noite", lembra Keftassa. "Eles compareceram ao tapete vermelho, tão alto, e tão honrado, para atenderem Meaza e outras pessoas importantes. Enquanto isso, longe das celebrações, correndo até lá em busca de justiça estava Aberash. Aberash! A pessoa que passou por toda a dor e todo o trauma. Eu me desespero pela ganância das pessoas e o ego que eles podem ter sobre algo que não é a sua história ".

Os produtores do filme já convidaram Bekele para ir até Los Angeles em dezembro, mas seu visto foi recusado. Embora o filme continua bloqueado na Etiópia, acordos de distribuição foram garantidos em toda a Europa e Jolie se mostrou entusiasmada sobre seu próximo lançamento no Reino Unido, quando ela organizou uma exibição especial do filme durante a Cúpula Global para Acabar com a Violência Sexual em Conflitos, que ela co-presidiu com o secretário de Relações Exteriores britânico, William Hague. Ela teria dito na ocasião, "Eu chorei durante os primeiros 20 minutos e, em seguida, eu sorri durante o resto do filme, pensando que eu não posso esperar para que o mundo possa vê-lo porque ele vai fazer uma mudança."

É claro que qualquer mudança que ajuda a acabar com a violência contra as meninas é bem-vinda. Embora qualquer pessoa a quem a causa de jovens mulheres da Etiópia é importante aplaude os criadores do filme por seu bom trabalho, Bekele continua sem um crédito sobre o filme. Hoje, ela poderia ser o motivo de admiração internacional por sua coragem e resiliência extraordinária, não, ao contrário, ela é invisível, e sua história foi tomadas.

"Eu me sinto duplamente sequestrada", disse ela.


Fonte NewsWeek

Comentários

Maria Caroline disse…
Nada haver milhares de pessoas já foram sequestradas é abusadas e tiveram que se casar com o sequestrador e só coincidência .Essa mulher quer e ganhar dinheiro a custas da Angelina , que é um mulher maravilhoso e ajuda ,pessoas de todos os lugares
Anônimo disse…
Essa mulher quer ganhar dinheiro só isso, se aproveitando que Jolie está ligada ao filme para ver se ganha algo.
Mas Jolie não tem nada haver com isso, e sim os outros produtores.
Sempre que Jolie faz algo vem um aproveitador desses.

Mas essa história se repete com muitas meninas, e não e algo exclusivo desta mulher. Isso vem acontecendo por muito tempo, muitas meninas sofreram e sofrem com este problema.
Anônimo disse…
Que absurdo. Isso é uma pura coincidencia, tem varias historias assim, essa mulher esta querendo fama e dinheiro em cima da Angie
Anônimo disse…
Jolie e só produtora executiva, ela só entrou com a verba financeira, a escolha da historia, dos atores e outros assuntos e responsabilidade, do diretor e produtor do filme que trabalharam no documentário.
Por isso essa alegação e incoerente, ela está cobrando a pessoa errada.
Enfim isso logo vai se resolver, como outras vezes que aconteceu a mesma coisa.