Angelina Jolie sobre refugiados em artigo escrito para o The New York Times

Por: Angelina Jolie
Um novo nível de sofrimento para os Refugiados
Angelina Jolie sobre os sírios e iraquianos que não pode ir para casa


Visitei o Iraque cinco vezes desde 2007, e não vi nada que se compara como o sofrimento que eu estou testemunhando agora.

Eu vim para visitar os acampamentos e assentamentos informais, onde os iraquianos deslocados e refugiados sírios estão desesperadamente à procura de abrigo dos combates que tem atingido a região.

Em quase quatro anos de guerra, quase metade da população da Síria de 23 milhões de pessoas tem sido arrancada de seus lares. Dentro do próprio Iraque, mais de dois milhões de pessoas fugiram de conflitos e do terror desencadeado por grupos extremistas. Estes refugiados e pessoas deslocadas testemunharam uma brutalidade indescritível. Suas crianças estão fora da escola, eles estão lutando para sobreviver, e eles estão cercados por todos os lados pela violência.

Por muitos anos, visitei acampamentos, e todas às vezes, eu me sento em uma barraca e ouço histórias. Eu tento fazer o meu melhor para dar apoio. Para dizer algo que vai mostrar solidariedade e dar algum tipo de orientação positiva. Nesta viagem eu fiquei sem palavras.

O que você diz a uma mãe com lágrimas escorrendo pelo seu rosto que diz que sua filha está nas mãos do Estado islâmico, ou ISIS, e que deseja estar lá também? Mesmo que ela tivesse que ser estuprada e torturada, diz ela, seria melhor do que não estar com sua filha.

O que você diz para uma garota de 13 anos, que descreve os armazéns onde ela e outras viviam, e que, e três de cada vez eram arrastadas para fora para serem estupradas pelos homens? Quando seu irmão descobriu, ele se matou.

Como você pode falar quando uma mulher da sua idade te olha nos olhos e lhe diz que toda a sua família foi morta em sua frente, e que ela agora vive sozinha em uma barraca e tem rações alimentares mínimas?

Na tenda seguinte, eu conheci uma família de oito crianças. Sem pais. Pai assassinado. Mãe ausente, provavelmente raptada. O garoto de 19 anos é o único que traz o sustento para os irmãos. Quando eu comentei com ele que é uma grande responsabilidade para a sua idade, ele apenas sorri e coloca o braço em volta de sua irmã mais nova. Ele me diz que é grato por ele ter a oportunidade de trabalhar para ajudá-los. Ele realmente quer dizer isso. Ele e sua família são a esperança para o futuro. Eles são resistentes contra o impossível.

Nada prepara você para a realidade de ver tanta miséria humana individual: para histórias de sofrimento e morte, e o olhar de fome de crianças traumatizadas.

Quem pode culpá-los por pensar que desistimos deles? Apenas uma fração da ajuda humanitária que precisam está sendo fornecida. Não houve nenhum progresso em acabar com a guerra na Síria desde que o processo de Genebra entrou em colapso há 12 meses. A Síria está em chamas, e regiões do Iraque se encontram em combate. As portas de muitas nações estão fechadas para eles. Não há nenhum lugar onde eles possam ficar ou voltar.

Vizinhos da Síria acolheram quase quatro milhões de refugiados sírios, mas eles estão atingindo seus limites. Refugiados sírios agora compõem 10 por cento da população da Jordânia. No Líbano, a cada quarta pessoa lá, um sírio. Eles precisam de comida, abrigo, educação, saúde e trabalho. Isso significa menos recursos disponíveis para a população local. Países mais ricos podem quebrar sob essas pressões.

Histórias de terror, bombas e massacres tem adquirido uma familiaridade horrível. Há uma grande tentação de nos voltarmos para dentro, para nos concentrarmos em nossos próprios problemas.

Mas o fato é que não podemos nos isolar contra esta crise. A propagação do extremismo, a onda de combatentes estrangeiros, a ameaça de novos terrorismos - apenas um fim para a guerra na Síria vai começar a virar o jogo sobre estes problemas. Sem isso, estamos apenas nos concentrando no exterior.

Nesta causa não estão somente às vidas de milhões de pessoas, e o futuro do Oriente Médio, mas também a credibilidade do sistema internacional. O que diz muito sobre o nosso compromisso com os direitos humanos e prestação de contas que parecem tolerar crimes contra a humanidade acontecendo na Síria e no Iraque em uma base diária?

A agência de refugiados das Nações Unidas foi criada após a Segunda Guerra Mundial, que se destinava a ajudar as pessoas a voltar para suas casas após o conflito. Ela não foi criada para alimentar, ano após ano, pessoas que nunca poderão voltar para casa, cujos filhos vão nascer apátrida, e cujos países nunca poderão ver a paz. Mas essa é a situação hoje, com 51 milhões de refugiados, requerentes de asilo ou pessoas deslocadas em todo o mundo, mais do que em qualquer época da história da organização.

Muito mais assistência deve ser encontrada para ajudar os vizinhos da Síria a suportar o fardo insustentável de milhões de refugiados. Apelos humanitários das Nações Unidas são significativamente subfinanciados. Países fora da região devem oferecer abrigo a refugiados mais vulneráveis que necessitam de reassentamento - por exemplo, aqueles que sofreram estupro ou tortura. E acima de tudo, a comunidade internacional como um todo tem que encontrar um caminho para um acordo de paz. Não é o suficiente defender os nossos valores em casa, em nossos jornais e em nossas instituições. Nós também temos que defendê-los nos campos de refugiados do Oriente Médio, e nas cidades-fantasmas em ruínas da Síria.

PS: Qualquer erro de tradução, por favor me avisa, obrigado.

Comentários

Anônimo disse…
Obrigado por colocar o artigo.
E triste ler o que Angelina relatou sobre os refugiados, que o mundo pare de fechar os olhos sobre o que eles estão passando.
Muito bom o texto! Encontrei alguns errinhos de gramática corriqueiros e arrumei. Se quiser usar, está à disposição...

Parte 1:

Por: Angelina Jolie

Um novo nível de sofrimento para os Refugiados
Angelina Jolie sobre os sírios e iraquianos que não pode ir para casa

Visitei o Iraque cinco vezes desde 2007, e não vi nada que se compara como o sofrimento que eu estou testemunhando agora.

Eu vim para visitar os acampamentos e assentamentos informais, onde os iraquianos deslocados e refugiados sírios estão desesperadamente à procura de abrigo dos combates que tem atingido a região.

Em quase quatro anos de guerra, quase metade da população da Síria de 23 milhões de pessoas tem sido arrancada de seus lares. Dentro do próprio Iraque, mais de dois milhões de pessoas fugiram de conflitos e do terror desencadeado por grupos extremistas. Estes refugiados e pessoas deslocadas testemunharam uma brutalidade indescritível. Suas crianças estão fora da escola, eles estão lutando para sobreviver, e eles estão cercados por todos os lados pela violência.

Por muitos anos, visitei acampamentos, e todas às vezes, eu me sento em uma barraca e ouço histórias. Eu tento fazer o meu melhor para dar apoio. Para dizer algo que vai mostrar solidariedade e dar algum tipo de orientação positiva. Nesta viagem eu fiquei sem palavras.

O que você diz a uma mãe com lágrimas escorrendo pelo seu rosto que diz que sua filha está nas mãos do Estado islâmico, ou ISIS, e que deseja estar lá também? Mesmo que ela tivesse que ser estuprada e torturada, diz ela, seria melhor do que não estar com sua filha.

O que você diz para uma garota de 13 anos, que descreve os armazéns onde ela e outras viviam, e que, e três de cada vez eram arrastadas para fora para serem estupradas pelos homens? Quando seu irmão descobriu, ele se matou.

Como você pode falar quando uma mulher da sua idade te olha nos olhos e lhe diz que toda a sua família foi morta em sua frente, e que ela agora vive sozinha em uma barraca e tem rações alimentares mínimas?

Na tenda seguinte, eu conheci uma família de oito crianças. Sem pais. Pai assassinado. Mãe ausente, provavelmente raptada. O garoto de 19 anos é o único que traz o sustento para os irmãos. Quando eu comentei com ele que é uma grande responsabilidade para a sua idade, ele apenas sorri e coloca o braço em volta de sua irmã mais nova. Ele me diz que é grato por ele ter a oportunidade de trabalhar para ajudá-los. Ele realmente quer dizer isso. Ele e sua família são a esperança para o futuro. Eles são resistentes contra o impossível.

Nada prepara você para a realidade de ver tanta miséria humana individual: para histórias de sofrimento e morte, e o olhar de fome de crianças traumatizadas.

Quem pode culpá-los por pensar que desistimos deles? Apenas uma fração da ajuda humanitária que precisam está sendo fornecida. Não houve nenhum progresso em acabar com a guerra na Síria desde que o processo de Genebra entrou em colapso há 12 meses. A Síria está em chamas, e regiões do Iraque se encontram em combate. As portas de muitas nações estão fechadas para eles. Não há nenhum lugar onde eles possam ficar ou voltar.

Vizinhos da Síria acolheram quase quatro milhões de refugiados sírios, mas eles estão atingindo seus limites. Refugiados sírios agora compõem 10 por cento da população da Jordânia. No Líbano, a cada quarta pessoa lá, um sírio. Eles precisam de comida, abrigo, educação, saúde e trabalho. Isso significa menos recursos disponíveis para a população local. Países mais ricos podem quebrar sob essas pressões.

Histórias de terror, bombas e massacres tem adquirido uma familiaridade horrível. Há uma grande tentação de nos voltarmos para dentro, para nos concentrarmos em nossos próprios problemas.
Parte 2 por conta do limite de caracteres.

Mas o fato é que não podemos nos isolar contra esta crise. A propagação do extremismo, a onda de combatentes estrangeiros, a ameaça de novos terrorismos - apenas um fim para a guerra na Síria vai começar a virar o jogo sobre estes problemas. Sem isso, estamos apenas nos concentrando no exterior.

Nesta causa não estão somente às vidas de milhões de pessoas, e o futuro do Oriente Médio, mas também a credibilidade do sistema internacional. O que diz muito sobre o nosso compromisso com os direitos humanos e prestação de contas que parecem tolerar crimes contra a humanidade acontecendo na Síria e no Iraque em uma base diária?

A agência de refugiados das Nações Unidas foi criada após a Segunda Guerra Mundial, que se destinava a ajudar as pessoas a voltar para suas casas após o conflito. Ela não foi criada para alimentar, ano após ano, pessoas que nunca poderão voltar para casa, cujos filhos vão nascer apátrida, e cujos países nunca poderão ver a paz. Mas essa é a situação hoje, com 51 milhões de refugiados, requerentes de asilo ou pessoas deslocadas em todo o mundo, mais do que em qualquer época da história da organização.

Muito mais assistência deve ser encontrada para ajudar os vizinhos da Síria a suportar o fardo insustentável de milhões de refugiados. Apelos humanitários das Nações Unidas são significativamente subfinanciados. Países fora da região devem oferecer abrigo a refugiados mais vulneráveis que necessitam de reassentamento - por exemplo, aqueles que sofreram estupro ou tortura. E acima de tudo, a comunidade internacional como um todo tem que encontrar um caminho para um acordo de paz. Não é o suficiente defender os nossos valores em casa, em nossos jornais e em nossas instituições. Nós também temos que defendê-los nos campos de refugiados do Oriente Médio, e nas cidades-fantasmas em ruínas da Síria.
Muito obrigado Beatriz, fico grato por isso, valeu.