Angelina Jolie escreve texto para o New York Times em defesa dos refugiados

Por: Angelina Jolie

Refugiados são homens, mulheres e crianças que se concentram no meio da fúria da guerra, ou estão na mira da perseguição. São pessoas que estão longe de serem terroristas, muitas vezes são vítimas do próprio terrorismo.

Tenho orgulho da história de nosso país de dar abrigo às pessoas mais vulneráveis. Os americanos têm derramado sangue para defender a ideia de que os direitos humanos transcendem a cultura, geografia, etnia e religião. A decisão de suspender a reinstalação de refugiados nos Estados Unidos e negar a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana foi surpreendida por nossos amigos em todo o mundo, precisamente por causa desse registro.

A crise global dos refugiados e a ameaça do terrorismo, tornam inteiramente justificável que consideremos a melhor forma de proteger as nossas fronteiras. Todo governo deve equilibrar as necessidades dos seus cidadãos com suas responsabilidades internacionais. Mas nossa resposta deve ser medida e deve ser baseada em fatos, não em medo.

Como mãe de seis filhos, todos nascidos em terras estrangeiras e orgulhosos cidadãos americanos, quero muito que nosso país esteja seguro para eles e para todos os filhos de nossa nação. Mas eu também quero saber que as crianças refugiadas que estão qualificadas para o asilo, sempre tenham a chance de defender a sua causa, para uma América compassiva. E que possamos gerenciar nossa segurança sem impedir que cidadãos de países inteiros - até mesmo bebês - sejam considerados perigosos para visitar nosso país em virtude da geografia ou religião.

Simplesmente não é verdade que as nossas fronteiras estão sendo invadidas ou que os refugiados são admitidos nos Estados Unidos sem passar por um processo seletivo rigoroso.

Os refugiados estão de fato sujeitos ao mais alto nível de rigo entre todas as categorias de viajantes que chegam aos Estados Unidos. Isso inclui meses de entrevistas e verificações de segurança realizadas pelo FBI, o Centro Nacional de Contra-Terrorismo, o Departamento de Segurança Interna e o Departamento de Estado.

Além disso, apenas as pessoas mais vulneráveis ​​são encaminhadas para o reassentamento: sobreviventes de tortura, mulheres e crianças em risco ou que podem não sobreviver sem assistência médica urgente e especializada. Visitei incontáveis ​​acampamentos e cidades onde centenas de milhares de refugiados mal sobrevivem e cada família sofreu. Quando a Agência das Nações Unidas para os Refugiados identifica aqueles que mais necessitam de proteção, podem ter a certeza de que eles merecem a segurança, o abrigo e um novo começo em países como o nosso que podem oferecer isso.



E na verdade, apenas uma fração minúscula - menos de 1 por cento - de todos os refugiados no mundo são sempre reassentados nos Estados Unidos ou em qualquer outro país. Há mais de 65 milhões de refugiados e pessoas deslocadas em todo o mundo. Nove em cada 10 refugiados vivem em países pobres e de renda média, e não em países ricos do Ocidente. Existem apenas 2,8 milhões de refugiados sírios na Turquia. E apenas cerca de 18.000 sírios foram reassentados na América desde 2011.

Essa disparidade aponta para outra realidade, mais preocupante. Se enviarmos uma mensagem de que é aceitável fechar a porta para os refugiados, ou discriminar entre eles com base na religião, estamos jogando com fogo. Nós estamos acendendo um fusível que vai queimar em todos os continentes, convidando a própria instabilidade que procuramos proteger contra nós mesmos.

Já estamos vivendo a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial. Há países na África e no Oriente Médio que estão lotados de refugiados. Durante gerações, os diplomatas norte-americanos aderiram às Nações Unidas para estimular esses países a manter suas fronteiras abertas e a manter padrões internacionais de tratamento de refugiados. Muitos fazem isso com generosidade exemplar.

Qual será a nossa resposta se outros países usam a segurança nacional como desculpa para começar a afastar as pessoas ou para negar os direitos com base na religião? O que isso poderia significar para os Rohingya de Mianmar, para os refugiados somalis ou para milhões de pessoas deslocadas que são muçulmanas? E o que isso faz com a proibição absoluta do direito internacional contra a discriminação com base na fé ou na religião?

A verdade é que mesmo que o número de refugiados que acolhemos seja pequeno, e fazemos o mínimo necessário, o fazemos para defender as convenções e padrões das Nações Unidas que tanto lutamos para construir depois da Segunda Guerra Mundial, pelo bem da nossa Própria segurança.

Se nós americanos dissermos que essas obrigações não são mais importantes, corremos o risco de um conflito, no qual ainda mais refugiados serão negados um lar, garantindo mais instabilidade, ódio e violência.

Se criarmos um grupo de refugiados de segunda classe, insinuando que os muçulmanos são menos dignos de proteção, alimentamos o extremismo no exterior e, em casa, minamos o ideal de diversidade que tanto democratas e republicanos apreciam: "A América está comprometida com o mundo porque muito do mundo está dentro da América ", nas palavras de Ronald Reagan. Se dividimos pessoas além de nossas fronteiras, nos dividimos.

A lição dos anos que passamos lutando contra o terrorismo desde 11 de setembro é que cada vez que nos afastamos dos nossos valores, pioramos o problema que estamos tentando conter. Nunca devemos permitir que nossos valores se tornem os danos colaterais de uma busca por maior segurança. Fechando a porta para os refugiados ou discriminando-os, não é o nosso caminho, e não nos torna mais seguros. Agir com medo não é o nosso caminho. Segmentar o mais fraco não mostra a força.

Todos nós queremos manter nosso país seguro. Assim, devemos olhar para as fontes da ameaça terrorista - para os conflitos que dão espaço e oxigênio a grupos como o Estado Islâmico, e o desespero e anarquia em que se alimentam. Temos de fazer causa comum com pessoas de todas as fés e origens lutando contra a mesma ameaça e buscando a mesma segurança. Isto é onde eu espero que qualquer presidente da nossa grande nação conduziria em nome de todos os americanos.

Fonte: The New York Times

Comentários

Angelina sempre se preocupando com o próximo ela tá certa no que ela disse, acho que o novo presidente do Estados Unidos tá exagerando nessa nova lei dele de proibir os refugiados de entrarem no Estados Unidos. se todos os países começaram em fazer a mesma coisa o que será desse refugiados muito triste Já vi várias reportagem passando na tv dessa situação e também já vi reportagem da angel visitando acampamento bom ela ter falado isso mostra que ela é uma cidadã preocupada com o próximo. E por isso que eu admiro com pessoa atriz Embaixadora ela não tem medo de se expor quando o assunto é esse falar de um assunto que realmente importante Parabéns Angelina pela sua atitude.