Angelina Jolie faz discurso após reunião com presidente da Turquia

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A Enviado Especial do UNHCR Angelina Jolie Pitt foi comemorar Dia Mundial do Refugiado com refugiados sírios na Turquia, que superou o Paquistão ao se tornar a maior nação do mundo que abriga refugiados, com mais de 1,77 milhões em áreas urbanas e campos administrados pelo governo.

O Enviado Especial e Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres também se reuniu com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan de agradeceu a ele e a seu povo pela generosidade do país para os iraquianos da Síria e aos refugiados, e também para discutir os desafios que a Turquia e outras nações anfitriãs enfrentam, e sua necessidade de apoio.

Na sua qualidade de co-fundadora da Iniciativa de Prevenção de Violência Sexual, Jolie Pitt também elevou seu trabalho sobre os direitos das mulheres e a campanha global contra a violência sexual em conflitos. Mais tarde, ao visitar o Midyat Campo de Refugiados em Mardin, sudeste da Turquia, ela fez um discurso poderoso para mais ação a fim de impedir refugiados de conflitos e mais apoio aos refugiados nesse Dia Mundial do Refugiado.

"Estamos aqui por uma razão simples: Esta região está no epicentro de uma crise global. Cerca de 60 milhões de pessoas estão deslocadas de suas casas. Isso é de uma em cada 122 pessoas em nosso planeta. Nosso mundo nunca foi tão rico ou saudável ou... Em um nível mais avançado, nunca antes tantas pessoas foram arrancadas e privadas de seus direitos humanos básicos. Devemos chamar isso como realmente é,  e não apenas de uma "crise de refugiados", mas uma crise de segurança global e governança, isto é manifestando como a pior crise de refugiados já registrado - é um tempo de deslocamento em massa.

"A maior fonte única de fluxos de refugiados maciça é a Síria. No espaço de quatro anos, a Turquia tornou-se o país com o maior número de refugiados em qualquer lugar do mundo, com 1,8 milhões de deslocados sírios e iraquianos. Líbano, onde eu estava ontem , está hospedando uma densidade ainda maior de pessoas deslocadas: cada quatro pessoas no Líbano é agora um refugiado sírio. As pessoas estão ficando sem lugares para recorrer. Se você é um iraquiano ou um fugitivo da violência da Síria, onde você vai? Cada país que faz fronteira está sendo empurrado além de seus limites.

"É por isso que vemos tantos morrendo no mar. Não é uma" nova tendência ", é resultado de pessoas que fogem de país em país e não encontram nenhum lugar seguro. Estes não são imigrantes econômicos que procuram uma vida melhor, estes são refugiados desesperados que fogem da guerra e da perseguição. A permanência média em um campo de refugiados é de 17 anos. Pense na sua própria vida. Pense no que isso significaria. Para muitos, é toda a sua infância. Durante os deslocamentos você poderia ser capaz de obter uma educação, ou continuar a sua educação. Mas, muito provavelmente não vão.

"Como um refugiado, você não pode trabalhar legalmente no país que foi acolhido. Assim, suas habilidades e educação vão sendo esquecidas ao longo desses anos e sua contribuição tão necessário será perdida. Como refugiado você aprender como o mundo se sente sobre você. Você sabe se seu sofrimento causam indignação e compaixão - ou se são ignorados. Na maior parte são famílias como os seis jovens que conheci ontem, vivendo no Líbano sem os pais, com um suprimento de rações como comida e pagando US $ 100 por mês para viver em uma barraca porque o ACNUR não tem fundos ou capacidade de cuidar de toda a gente - eles sabem.

"Devemos ver este tempo de deslocamentos como o tempo em que devemos tomar o máximo de cuidado, e dar o maior apoio. Não porque eles são vulneráveis, mas porque na verdade eles são a futura estabilidade de todos os países que dizem que estão tão preocupados. Então, minha primeira mensagem é que é conveniente para as pessoas respeitarem a situação dos refugiados e ver seus valores. Devemos protegê-los e investir neles. Eles não são um problema, eles são parte da solução para esta crise mundial. Eles são o potencial para a reconstrução e reestabilização de países.

"Mas em segundo lugar, ainda mais do que isso, peço à comunidade e líderes mundiais para reconhecerem que este momento de deslocação humana em massa é significativa. Este não é apenas mais um dia. Este Dia Mundial do Refugiado marca algumas verdades assustadoras sobre a nossa incapacidade de gerenciar crise internacional - sobre a nossa incapacidade de mediar a paz e encontrar soluções duradouras.

Hoje - como aconteceu todos os dias, em média, no ano passado - mais de 40.000 pessoas serão forçadas a deixar suas casas. E será o mesmo amanhã. E no dia seguinte. E em todos os dias depois desse, se esta inércia política continuar.

"É difícil apontar um único caso em que, como uma comunidade internacional, que estamos abordando decisivamente as causas profundas dos fluxos de refugiados. O deslocamento é multiplicado, porque as guerras não terminam, e os países que emergem de conflitos não recebem o apoio que necessitam . Nós lidamos com crises, discutindo diversos assuntos. A crise global está nos mostrando que essa visão estreita de lidar com o conflito é errado e ineficaz. ACNUR, juntamente com outras agências da ONU e ONGs, não podem esperar para gerenciar o caos de uma população d deslocados do tamanho da França.

"Eu passei os últimos 14 anos entre o pessoal do UNHCR (ACNUR). Eu sei sobre as suas dedicações. Mesmo o amor para os refugiados. Também já os vi sobrecarregados e emocionais ao longo dos últimos anos. Eles e outras agências da ONU e ONGs estão preenchendo uma lacuna deixada pela comunidade internacional. Estamos passando em um ponto de ruptura. A resposta a uma crise mundial como esta não é a forma como muitos recursos financeiros podem ser cumpridas. Ou, na verdade, pela qual a percentagem que eles possam ser cumpridos. É claro que estou grata pelos fundos dos países que tem contribuído, mesmo mesmo assim eles não são suficientes para atender todas as necessidades.

Mas eu digo a esses países, o seu trabalho não é financiar os deslocamentos, mas sim impedi-los. Acabar com eles.

"60 milhões de refugiados é um sinal da nossa incapacidade de trabalhar juntos como uma comunidade, para aplicar todas as nossas leis e nossas instituições coletivas, afim de usar de forma eficaz os benefícios. Para viver pelos nossos padrões e manter a nossa palavra. Há uma explosão de sofrimento humano e de deslocamento em um nível que nunca foi visto antes, e ele não pode ser gerir pelo alívio de um auxílio, deve ser gerido pela diplomacia e pelo direito. Este é um problema central. Não podemos escolher quais violações dos direitos humanos que vamos ou não vamos tolerar.

"Nós temos as ferramentas que precisamos -. As resoluções, as doutrinas, as convenções, os tribunais. Mas se essas ferramentas são mal utilizadas, aplicadas de forma inconsistente ou aplicado de uma forma de auto-serviço, vamos continuar nesta tendência de deslocamento e ele irá crescer e crescer. É desumano esperar que todas estas famílias tolerem esse tipo de vida. Todos nós sabemos o que precisa ser feito, temos de fazer melhor. E é evidente que temos de começar com a Síria.

"Eu chamo, mais uma vez, ao Conselho de Segurança das Nações Unidas: Envie seus ministros e embaixadores aqui. Testemunhe por si só esta crise. Veja que ele simplesmente não pode continuar e que passou do tempo para um plano credível afim de chegar a uma solução política para acabar com o conflito. Agradeço o povo da Turquia, Iraque, Líbano e Jordânia por sua generosidade, e todos os países de acolhimento, de todas as famílias aqui, e em torno do nosso mundo, e marcando este mês sagrado, eu digo: "Ramadan Kareem". E Presto homenagem a vocês refugiados - as pessoas que, com razão comemorar hoje, não só aqui na Turquia, mas em todo o mundo Obrigado".

PS: Pessoal eu fiz o meu melhor para traduzir e adaptar esse texto, porque ele foi postado no site do UNHCR cheio de erros, então caso encontre algo fora do normal ou sem sentido, por favor comunique-me.

Comentários

Norton Araujo disse…
Está inerrsia politica está em algo no que realmente importa ou o que é mais importante os políticos devem ver que e diferenciar do que e passageiro do que é permanente eles os político devem sair da área de conforto e virar a página desta tragédia humana .
Norton Araujo disse…
Está inerrsia politica está em algo no que realmente importa ou o que é mais importante os políticos devem ver que e diferenciar do que e passageiro do que é permanente eles os político devem sair da área de conforto e virar a página desta tragédia humana .
Anônimo disse…
Esse tipo de coisa está acontecendo porque os principais países que tem o poder de reverter este quadro, simplesmente ignoram os refugiados e o que tem causado o seu refúgio. Muitos países tem como foco de preocupação a economia e nada mais. Vivemos em uma sociedade consumista e egoísta, e isso e muito triste.

Mas ainda tem pessoas que se preocupam com questões sociais, como os voluntários que se dedicam a proporcionar um pouco de acolhimento para os refugiados.
Parabéns a Angie, Sr. Antonio, a Acnur e aos países que tem acolhido os refugiados, como Líbano, Turquia, Iraque e Jordânia.

Seria importante ter um projeto que garantisse que os refugiados pudessem trabalhar e estudar nos países que os acolhem, dando a eles o poder de mudar o rumo de sua história, podendo seguir e construir um novo lar e uma nova vida. Espero que isso aconteça um dia, será um grande passo.
Anônimo disse…
Parabéns aos voluntários e ONG'S que lutam por uma vida melhor para os refugiados.
Orgulhosa de ver Angie apoiando causas importantes.
BWEST disse…
Angelina segue sendo diferenciada dos noticiários de celebridades!Ela é exemplo de cidadã do mundo,e inspira até seus filhos a serem pessoas melhores,preocupadas com o bem estar mundial. A situação dos milhares de refugiados é a maior vergonha,o fracasso das negociações de paz e a
demora dos países ricos em ajudar a "arrumar o que eles provocaram ( quem produz e vende armas?)",está mostrando que a lei do retorno existe!Os refugiados batendo na Europa,só pedem a oportunidade de continuar vivendo,pois nem país eles tem mais para voltar! Triste...Bravo,angelina!Continue o bom trabalho,pois o resto do mundo,não está nem aí para refugiados,de guerra ou catástrofes,tipo os haitianos que vem para o Brasil ou africanos.