Angelina Jolie responde as acusações de abuso e crueldade infantil

A atriz e diretora Angelina Jolie enfrentou duras críticas depois que a revista Vanity Fair publicou em suas paginas declarações incompletas de que os diretores de elenco de seu filme deram dinheiro para crianças cambojanas e depois tomaram de volta.

Angelina está chateada com um recente perfil da Vanity Fair que descreveu uma cena da audição de seu próximo filme "First They Killed My Father", gravado no Camboja, onde muitas pessoas acharam explorador e abusivo.

A história de capa da Vanity Fair, publicada on-line esta semana, descreveu um "jogo" que os diretores de elenco da Jolie fizeram com crianças de "orfanatos, circos e escolas da periferia" enquanto procurava um ator para desempenhar o papel de Loung Ung, a autora do livro de memórias em que o filme é baseado.

No jogo, conforme descrito por Evgenia Peretz , colaboradora da Vanity Fair , os diretores do elenco colocaram dinheiro na frente das crianças, e pediram que elas pensassem em algo no qual precisassem do dinheiro, e depois que a criança pegava o dinheiro, eles obrigavam ela a devolve-lo para provocar uma reação na criança.

Os críticos chamaram a estratégia dos diretores de elenco descrita na revista como emocionalmente abusiva e cruel .

Jolie disse em um comunicado no sábado que a cena da audição havia sido retirada do contexto. De acordo com a atriz, haviam pais, responsáveis ​​e parceiros de organizações não-governamentais, bem como médicos, presentes durante todo o processo cinematográfico, incluindo audições. Ela enfatizou que ninguém sofreu qualquer trauma enquanto participavam da recriação das cenas do filme.

"Todas as medidas foram tomadas para garantir a segurança, o conforto e o bem-estar das crianças no filme a partir das audições através da produção até a conclusão", disse ela ao HuffPost em um comunicado.

Jolie, que dirigiu o filme, disse que o "jogo" de audição descrito no perfil era um exercício de improvisação baseado em uma cena no filme. Ela também disse que o dinheiro de verdade não foi retirado das crianças durante as audições.

"Estou chateada que um exercício de simulação em uma improvisação, de uma cena real no filme, tenha sido descrito como se fosse um cenário real", disse Jolie, uma Enviada Especial das Nações Unidas para os refugiados. "A sugestão de que o dinheiro real foi tirado de uma criança durante uma audição é falso e perturbador. Eu ficaria indignada se tivesse acontecido isso ".

Uma fonte familiarizada com o processo de seleção do filme disse a HuffPost que as crianças que faziam o teste estavam conscientes de que estavam improvisando uma cena do filme, acrescentando que nenhum dinheiro real estava envolvido. Os diretores de elenco reiteraram às crianças que participavam das audições que era um "simulação" para garantir que os atores não sentissem nenhuma pressão, disse a fonte.

A "simulação" foi baseado na experiência da vida real de Ung ao ser pega pelo Khmer Vermelho enquanto roubava. Ung, uma cambojana-americana, sobreviveu aos assassinatos do Khmer Vermelho que nãp pouparam a vida de seus pais, dois irmãos e quase 2 milhões de cambojanos no final da década de 1970.

Os atores que finalmente foram escolhidos para atuar no filme de Jolie são uma mistura de atores treinados, órfãos e crianças desfavorecidas. Srey Moch Sareum, a criança que interpreta o papel principal no filme, vive em uma comunidade de favelas e frequenta uma escola mantida por organizações não-governamentais no Camboja.

"Srey Moch foi a única criança que olhou o dinheiro por muito, muito tempo", disse Jolie à Vanity Fair . "Quando ela foi forçada a devolver, ela ficou sobrecarregada de emoção. Todas essas coisas diferentes e emoções, começaram a aparecer ".

Rithy Panh, um cineasta cambojano e produtor do filme, disse, antes das audições, as equipes apresentaram as crianças ao equipamento da câmera e explicaram que tinham que fingir roubar algo que foi deixado sem vigilância e depois ser pego.

O próprio Panh, um sobrevivente do genocídio cambojano, criticou o "jogo" descrito no perfil de "mal-entendido".

"Um grande cuidado foi tomado com as crianças não só durante as audições, mas durante toda a produção do filme", ​​disse ele em um comunicado à HuffPost.

"Porque as memórias do genocídio são tão cruas, e muitos cambojanos ainda têm dificuldade em falar sobre suas experiências, uma equipe de médicos e terapeutas trabalhou conosco no set todos os dias para que qualquer pessoa do elenco ou da equipe que quisesse conversar pudesse fazê-lo ," ele adicionou.

O próximo filme da Netflix de Jolie é baseado nas memórias do livro de Ung de mesmo nome. Jolie disse no perfil da Vanity Fair que havia uma "conexão autêntica à dor para todos os envolvidos" com o filme, que será lançado no final deste ano. Ela também explicou que um terapeuta estava no set todos os dias para oferecer suporte para aqueles impactados por flashbacks e pesadelos dos horrores do Khmer Vermelho.

A Vanity Fair não respondeu ao pedido de comentários da HuffPost no momento desta publicação.

Leia as declarações completas de Jolie e Panh abaixo:

Angelina Jolie, diretora:

Todas as medidas foram tomadas para garantir a segurança, o conforto e o bem-estar das crianças no filme, desde as audições, passando pela produção até a conclusão do filme, e isso ainda continua. Pais, guardiões, ONGs parceiras cujo trabalho é cuidar de crianças e médicos estavam sempre à disposição todos os dias, para garantir que todos tivessem tudo de que precisavam. E acima de tudo para se certificar de que ninguém sofreu de forma alguma ao participar da recreação de uma parte tão dolorosa da história de seu país.

Estou chateado que um exercício de simulação em uma improvisação, de uma cena real no filme, tenha sido descrita como se fosse um cenário real. A sugestão de que o dinheiro real foi tirado de uma criança durante uma audição é falsa e perturbadora. Eu ficaria indignada se isso tivesse acontecido.

O objetivo deste filme é chamar a atenção para os horrores que as crianças enfrentam na guerra e ajudar a lutar para protegê-las ".

Rithy Panh, produtor:

Quero comentar a recente onda de criticas sobre o processo de escolha do elenco para o filme "First They Killed My Father" de Angelina Jolie, que descreveu gravemente a forma como as crianças que seriam escolhidas para atuar no filme foram selecionados e eu quero esclarecer os mal-entendidos.

Como tantas crianças estavam envolvidas na produção, Angelina e eu tomamos o maior cuidado para garantir que seu bem-estar fosse protegido. Nosso objetivo era respeitar as realidades da guerra, enquanto cuidávamos de todos os que nos ajudaram a recriá-lo para o filme.

O elenco foi tratado da maneira mais sensível possível. As crianças eram de diferentes origens. Algumas eram desfavorecidas; Outros não eram. Algumas eram órfãos. Todas as crianças foram atendidas em todos os momentos por parentes ou cuidadores das ONGs responsáveis ​​por elas. A equipe de produção seguiu as preferências das famílias e as diretrizes das ONGs. Algumas das audições ocorreram nas instalações das ONGs.

Antes dos testes de tela, a equipe de seleção apresentou às crianças a câmera e o material de gravação de som. Explicou-lhes que eles seriam convidados a representar uma cena: fingir roubar dinheiro ou um pouco de comida deixada sem vigilância e depois ser pega no ato. Relacionado a um episódio real da vida de Loung Ung, e uma cena no filme, quando ela e seus irmãos foram pegos pelo Khmer Vermelho e acusados ​​de roubo.

O propósito da audição foi improvisar com as crianças e explorar como uma criança se sente quando é pego fazendo algo que ele ou ela não deveria fazer.

Queríamos ver como eles improvisariam quando seu personagem é encontrado 'roubando' e como eles justificariam sua ação. As crianças não foram enganadas ou aprisionadas, como alguns sugeriram. Eles entenderam muito bem que isso era atuação e fazer acreditar. O que Srey Moch, que foi escolhido para o papel principal de Loung Ung, fez, ao inventar que quereria o dinheiro não para si mesma, mas por seu avô, foi tão especial.

Tudo relacionado com as crianças, foram feitos com um grande cuidado, não só durante as audições, mas durante toda a produção do filme. Eles foram acompanhados por seus pais, ou por outros parentes e tutores. O tempo foi reservado para que eles estudassem e jogassem. O bem-estar das crianças foi monitorado por uma equipe especial a cada dia, inclusive em casa, e esse trabalho continua até os dias de hoje. Porque as lembranças do genocídio são tão cruas, e muitos cambojanos ainda têm dificuldade em falar sobre suas experiências, uma equipe de médicos e terapeutas trabalhou conosco no set todos os dias para que qualquer pessoa do elenco ou da equipe que quisesse falar poderia fazê-lo.

As crianças deram o seu melhor em suas performances e nos fizemos o nosso melhor na produção, e, acredito que o Camboja esteja muito orgulhoso.



Fonte: HuffPost

Comentários

Anônimo disse…
Ridículo tudo isso. A imprensa pega uma declaração distorce toda a historia, um monte de acéfalo repetem o que leem e causa esse ataque todo a ela. Sou fã ha anos dessa mulher e me irrita os ataques que ela sofre por motivos irreais, inventados por tabloides e que ignorantes compram a história. Para um pouco só pra pensar e olha todo o trabalho dela na ONU, a dedicação dela como mae, as causas que ela abraça, só isso ja e motivo suficiente para no mínimo respeita-la, sem contar a carreira profissional. Angie fez e faz por quem nao conhece algo que muitos nao fazem por quem esta do seu lado. Podem me apontar oa defeitos dela, mas ninguem pode dizer que essa mulher nāo se preocupa com o outro, ainda mais sendo criança. Tinha certeza que ela não iria se calar diante dessas acusações infundadas. Que Deus a proteja de toda inveja e de todo o mal!
bap disse…

I will never buy that magazine. They tried to hurt Angelina reputation true evil.
Anônimo disse…
A nossa sociedade está muito doente. É uma pena a Jolie ter que gastar energia e tempo para explicar isso. Qualquer asno poderia raciocinar um pouco e entender que mesmo que alguem no set quisesse fazer algo cruel, estavam lá a autora do livro e esse diretor, ambos órfãos desse massacre, ambos cambojanos. E na própria matéria fala-se que a Jolie caminha no Camboja como alguém a se respeitar. Gente, menos. Hoje li que o príncipe George está sendo chamado na mídia de reizinho gay e outras coisas muito ofensivas somente porque captaram uma foto onde ele está com as duas mãos no queixo. Então os "super entendedores" da Internet já taxaram o garoto de gay e um monte de impropérios. Se ele vier a ser gay, qual o problema? O triste aqui é a crucificação de uma criança muito pequena que não entende ainda muita coisa ou nada desse mundo lixo. Quanta podridão, quanta gente com mente e coração doentes e imundos. Será que se acham tão perfeitos? Sobre crianças em sets de TV e cinema, como será que as pessoas acham que as crianças da globo são preparadas para as cenas com teor sexual e de violência? Como o garotinho do filme o quarto de jack foi preparado para assistir de dentro de um armário, a mãe tendo relações sexuais com o raptor dela? Esse mundo do entretenimento não é cor de rosa, nada é, acordem.
Anônimo disse…
Nunca mais ela dá entrevista a essa revista
bap disse…

Truth crush to earth shall rise. Love and Respect Angelina.
lucia vicent disse…
EL LADO PISITIVO ES QUE LA PELICULA ESTA TENIENDO MUCHA PUBLICIDAD , ANGELINA MAS GENTE VERA TU PELICULA , ME ALEGRO POR TI, NO HAY MAL QUE POR BIEN NO VENGA