Loung Ung: Da fuga do Camboja até a amizade com Angelina Jolie

Loung Ung tinha visto mais aos 10 anos de idade, do que a maioria das pessoas viu durante toda a vida.

Ung foi criada em uma família de classe média alta em Phnom Penh, no Camboja, seu pai, era um oficial militar no governo anterior de Lon Nol. Seu mundo virou de cabeça para baixo em 17 de abril de 1975, quando o Khmer Vermelho, governado pelo ditador Pol Pot, invadiu a capital do Camboja e forçou dois milhões de pessoas a evacua-la.

Todos os que resistiram foram baleados e mortos

Nos cinco anos seguintes, Ung foi separada de seus pais (eles foram mortos pelo Khmer Vermelho) e irmãos, torturada, presa em cativeiro e obrigada a treinar como soldado infantil, antes de finalmente fugir para os Estados Unidos em junho de 1980 com seu irmão Meng e sua nova esposa, Eang.

Ung detalhou sua experiência no livro de memórias intitulado "First They Killed My Father", lançado em 2000, e adaptado para um novo longa-metragem da diretora Angelina Jolie que será lançado no Netflix no próximo mês. Em fevereiro, Ung assistiu o filme pela primeira vez na estréia do Camboja.

"Eu estava bastante ansiosa e nervosa por minha família no Camboja e outros cambojanos para assisti-o", disse ela a People. "No dia da estréia no Camboja, eu não consegui dormir a noite toda. Eu trouxe 33 dos meus familiares - todos os meus irmãos sobreviventes, seus cônjuges, filhos e outros parentes para ver o filme. Nós nos sentamos juntos no escuro enquanto o filme era transmitido e eu ouvi a minha família rir, chorar, ofegar e depois ficar em silêncio enquanto o filme se dirigia para o fim. Eu acho que eu prendi a respiração o tempo todo. E quando tudo acabou, minha família veio até mim e me disse que eles amavam o filme. Eu finalmente expirei naquele dia. O filme está em um belo movimento. "

A noite em que o Khmer Vermelho invadiu Phnom Penh

Uma Ung de 5 anos estava brincando quando caminhões rugiram pelas ruas. "Enquanto eu viver, nunca esquecerei o dia 17 de abril de 1975 - dia em que os soldados do Khmer Vermelho invadiram nossa cidade", lembra. "Eu estava brincando com minha irmã Chou quando fileiras de caminhões lotados de homens com camisas pretas e calças entraram na cidade. Em primeiro lugar, as pessoas na cidade se animaram com suas chegadas, mas logo paramos quando os soldados tiraram seus megafones e começaram a gritar para sairmos da cidade. Eles nos disseram que a cidade seria bombardeada e, se não fossemos embora, morreríamos. Para argumentar, os soldados ergueram seus rifles no ar. Mais tarde, descobrimos que mataram todos aqueles que se recusaram a sair ".

Forçados a sair imediatamente, os Ungs subiram em um caminhão e dirigiram até que o veículo estivesse sem combustível. Eles caminharam por dias antes de se instalarem temporariamente em uma vila ocupada. Mudando de aldeia para aldeia - tentando esconder a identidade do pai de Loung dos soldados do Khmer Vermelho - a família foi transferida para a cidade de Ro Leap, que era, em sua essência, um campo de trabalho duro onde cada pessoa foi forçada a trabalhar por longas horas recebendo pequenas quantidades de comida. Em Ro Leap, a família foi separada a força pelo Khmer Vermelho e Loung nunca mais viu seus pais, ou duas de suas irmãs.

Para salvar a vida de seus filhos, a mãe de Ung os enviou para fora da cidade de Ro Leap, dizendo-lhes pra fingirem serem órfãos e nunca mais voltar

Aterrorizados com os gritos e o súbito desaparecimento de seus vizinhos, a mãe de Ung, Ay, retirou Loung e dois de seus irmãos de Ro Leap. O mais novo, que tinha apenas quatro anos na época, permaneceu com Ay. Três crianças mais velhas já haviam sido levadas para campos de trabalho, onde um havia morrido. "Na época, pensei que minha mãe era fraca por me mandar embora depois que os soldados haviam levado meu pai", diz Ung. "Como mulher, não posso começar a imaginar a angústia da minha mãe ao ter que nos mandar embora, sem saber se ela nos veria de novo, ou se seriamos feridos, torturados ou mortos, ou passando fome". Mas ela sabia que todos nós não sobreviveríamos se ficássemos juntos, então ela fez a escolha do coração para nos separar. Sem essa decisão, nenhum de nós provavelmente teria sobrevivido ".

Aos sete anos, Ung tinha sido recrutada para treinar como uma criança soldado

Durante 17 meses, Loung foi forçada a aprender a lutar contra soldados vietnamitas. Em novembro de 1978, ela fugiu no meio da noite, voltando para Ro Leap para encontrar sua mãe e irmã mais nova, apenas para ouvir que eles foram seqüestradas pelo Khmer Vermelho e nunca mais foram vistas. Em 1979, os demais membros da família Ung foram reunidos. Um ano depois, o irmão mais velho de Loung, Meng, agora um recém-casado, finalmente recebeu uma ajuda para ir para os Estados Unidos junto da esposa e Ung. Seus outros irmãos permaneceram no Camboja. Olhando para trás nos cinco anos traumáticos, Ung diz: "Agora eu vejo como o amor de meu pai e a coragem de minha mãe me deram a esperança e a força para sobreviver. Minha mãe era a pessoa mais forte que já conheci e meu pai, talvez o mais amoroso. Durante um tempo, senti vontade de desistir, pensei neles e lutei para viver para que eu pudesse honrar suas vidas.".

Em junho de 1980, os Ungs chegaram na vila Essex Junction em Vermont

"Cheguei a Vermont como refugiada, em junho de 1980, sem saber nada sobre minha nova casa ou meu país", disse ela. "Eu tinha 10 anos, não falava inglês, e estava constantemente com fome e sempre estava com frio. No campo de refugiados na Tailândia, os trabalhadores tentaram nos mostrar o que era a vida na América ao passarem filmes americanos. Nos filmes que vi, a América era uma cidade grande e barulhenta cheia de edifícios altos, estradas grandes, carros grandes e lotada de pessoas. Esses filmes não pareciam com Vermont. Eu aprendi muito a amar Vermont, foi um ótimo lugar para se curar ".

Em 2000, ela publicou suas memorias em um livro intitulado First They Killed My Father

"Quando criança, senti que não tinha voz e, como resultado, sofri o genocídio em silêncio", diz ela. "First They Killed My Father, nasceu do meu desejo de recuperar a minha voz e usá-la para dizer ao mundo o que aconteceu durante o genocídio e o que foi necessário para a minha família e milhões de outras famílias como a nossa poder sobreviver à guerra. Ao escrever isso, eu também queria que o mundo soubesse que o amor, a beleza, a coragem, o sacrifício e a graça da família e da humanidade existe em nosso mundo, mesmo nos momentos mais difíceis. Por fim, como filha, queria que os netos e bisnetos dos meus pais os conhecesse não só como vítimas do genocídio do Khmer Vermelho, mas como pessoas espirituais, fortes e cheias de vida, amor e luz ".


Uma fã em particular - Angelina Jolie - tornou-se uma amiga para toda a vida

"Angie e eu nos conhecemos em 2001 e nos tornamos amigas", diz ela. "Ela tinha acabado de terminar a filmagem de Tomb Raider no Camboja, e meu livro tinha acabado de ser lançado, então nossos caminhos e interesses mútuos no Camboja e questões humanitárias se cruzaram. Ao longo dos anos, mantínhamos o contato e nos víamos sempre que nossas viagens ou vidas permitissem. Como mulher, admiro nela os mesmos traços que admiro em todas as minhas amigas - sua generosidade, compaixão e inteligência. Como amiga, adoro que ela é uma pessoa aventureira, de boa conversa e uma mãe muito amorosa e prática ".

Ela deu a Jolie a sua benção para adaptar seus memórias em um filme

"Todo o processo foi esmagador", diz Ung. "Isso significou tanto para mim, e eu acho, para o país, fazer o filme no Camboja, com um elenco Khmer e na linguá Khmer (idioma cambojano). Muitas pessoas no set nunca falaram sobre sua história e isso lhes deu a oportunidade de se abrir e compartilhar. "Depois da estréia de fevereiro, ela diz:" depois da exibição para milhares de pessoas em todo o país, Angie e eu nos encontramos com sobreviventes, E a partir dessas conversas, eu posso dizer que esse filme ajudou a abrir um diálogo ".


Ung também conheceu a jovem atriz que a interpreta no filme, Srey Moch Sareum. "Eu estava no set quase todos os dias para as gravações, então eu passei muito tempo com Srey Moch, sua mãe, irmã, as outras crianças do elenco, equipes e suas famílias", diz ela sobre Sareum. "E todos os fins de semana, Angie, eu e os seus filhos encontramos com Srey Moch, sua família e as crianças do filme, para dias divertidos na piscina, visitas ao museu e passeios a sorveteria. Praticamente desde o primeiro dia, eu me tornei "Tia Loung" para as crianças e seus pais. Srey Moch é brilhante, brincalhona e inteligente, e tem uma profundidade de inteligência e imaginação que permitiu que seu talento natural brilhesse ".

E como foi o trabalho da jovem atriz? "Srey Moch fez um trabalho fenomenal", diz ela. "Adorei ver o quanto ela cresceu e progrediu em suas habilidades de atuação em poucos meses. Srey Moch e as outras crianças do elenco realmente gostaram de atuar, e alguns gostariam de continuar a faze-lo. Eu acho que Srey Moch gostaria de dirigir como Angie. Mas, por enquanto, estão concentrados na escola".

Fonte: People

Comentários

bap disse…



Angelina and Loung are two beautiful souls.